‘Masculinidade’ é critério em avaliação psicológica para vaga na PM

22

Aliança Nacional LGBTI+ e Grupo Dignidade consideram a exigência discriminatória

Polícia Militar do Paraná abriu nesta segunda-feira (13) concurso para preencher 16 vagas de cadetes na instituição. Os candidatos serão avaliados de acordo com 72 características psicológicas, entre elas a “masculinidade”.

Segundo o edital, o candidato deve ter a “masculinidade” maior ou igual a regular. De acordo com a instituição, ela é definida pela “capacidade de o indivíduo em não se impressionar com cenas violentas, suportar vulgaridades, não emocionar-se facilmente, tampouco demonstrar interesse em histórias românticas e de amor”.

A “emotividade”, por sua vez, deve ser média/diminuída: “expressão de vibrações, choques ou comoções interiores das funções psicológicas e fisiológicas”. A “depressão” também é um fator que não será bem visto nos candidatos, assim como a “vulnerabilidade”. Se o candidato tiver “amabilidade”, “ponderação/prudência” em dimensões baixas não será prejudicado.

A aprovação no exame de adequação psicológica é um dos requisitos básicos para a posse do cargo. O candidato deve ter no máximo 30 anos e ter concluído o ensino médio. Mulheres podem preencher até 50% das vagas, segundo a lei estadual 14.804/2005.

Segundo o edital, a avaliação psicológica tem como objetivo “selecionar os candidatos que possuam habilidades específicas e características de personalidade favoráveis às atribuições das diversas funções institucionais, de acordo com os parâmetros do perfil profissiográfico estabelecido para o cargo de cadete da Polícia Militar do Estado do Paraná”.

A inaptidão é constatada em análise conjunta de todos os testes. A “masculinidade” é uma característica do grupo C: o candidato deve atingir as dimensões mínimas em 2/3 dos itens para ser aprovado. Ou seja, ainda que não seja masculino o suficiente, não estará automaticamente eliminado.

OUTRO LADO

Em nota, a PM do Paraná afirma que a característica “masculinidade” tem essa denominação por opção do autor do instrumento de avaliação psicológica. “Todos os testes psicológicos (…) buscam o levantamento e síntese de informações, com base em procedimentos científicos e, necessariamente, são instrumentos aprovados pelo Conselho Federal de Psicologia”, diz o texto.

Segundo a polícia, o objetivo é avaliar a estabilidade emocional e a capacidade de enfrentamento, “aspectos extremamente necessários para o dia a dia da atividade policial militar”.

O órgão alega que a característica não avalia componentes de gênero e que não é este o objetivo do teste.

“A Polícia Militar do Paraná não compactua e não tolera comportamentos e posicionamentos discriminatórios de qualquer natureza.” Com informações da Folhapress.

Deixe seu comentário