Dinossauro pescoçudo viveu no Rio Grande do Sul

156
Por
Eudes F. Góes
Na região central do Rio Grande do Sul, na cidade de Agudo, atualmente vivem 17.102 pessoas. Há 225 milhões de anos, porém, ali viveu o maior dinossauro “pescoçudo” já encontrado no mundo. É o que afirma o estudo publicado recentemente no periódico britânico Biology Letters por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade de São Paulo (USP).
O fóssil do dinossauro, o primeiro completo encontrado no Brasil, tem 3,5 metros de comprimento e tem o pescoço bastante longo, assim como os “famosos” Brachiosaurus e Apatosaurus. Entretanto, o exemplar gaúcho é o mais antigo de que qualquer outro já descoberto desse tipo.

Segundo o pesquisador Rodrigo Temp Müller, um dos autores do estudo, dinossauros que viveram nesse período, chamado de Mesozoico, são raros porque antecedem a época em que esses animais dominaram o planeta. A pesquisa também foi feita por Max Cardoso Langer, da Universidade de São Paulo, e Sérgio Dias da Silva, da UFSM.
Conforme o estudo, os dentes do dinossauro indicam que ele se alimentava de plantas e seu pescoço permitia alcançar a vegetação mais alta. O dinossauro foi batizado de Macrocollum itaquii. O nome foi escolhido porque Macrollum significa “pescoço longo” e itaquii é uma homenagem a José Jerundino Machado Itaqui, criador do Centro de Apoio a Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia (Cappa), onde o fóssil foi achado.
Deixe seu comentário