Paciente agoniza no Pronto Socorro com o pé podre e risco de perder a perna ou até a vida

Familiares denunciaram que só conseguiram falar com o diretor do hospital por meio de um deputado, e nem assim as coisas progrediram o bastante para resolver o problema.

2355
Valdeci está sofrendo muito-grita de dores e até agora nada-Foto: Familia

Por: Eudes F. Góes

O paciente Valdeci Martins do Santos (54) que está internado na enfermaria C,  Leito 58 do HUERB (Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco) vive atualmente um martírio, necessitando de um procedimento cirúrgico para livrar-se de uma infecção que teve início em seu pé. Por ser diabético, a ferida que teve começou no pé, passou para a perna, e agora está subindo para a coxa. Familiares denunciam que a demora na cirurgia pode levá-lo à morte.

Segundo Eronilson Martins, o irmão que o acompanha, o procedimento foi marcado algumas vezes, mas cancelado de última hora, e  agora, devido à gravidade do problema, Valdeci está correndo risco de morte.

O irmão citou também o desconforto que acontece quando a cirurgia é cancelada depois que o paciente, tão debilitado, já passou  vinte e quatro horas em jejum.

Pé comprometido, no início estava assim- depois de quase um mês as coisas pioraram-foto: Acervo da familia

Familiares declararam à reportagem de o www.axeinoticias.net, que estão cientes da possível  necessidade de uma amputação, e que  não precisa ser médico para constatar que a demora está agravando o quadro a cada dia.

Eronilson conta que o descaso é tão grande que deixa todos chocados. Ele lembra que já passou uma mensagem telefônica para o Secretário de Saúde, Alysson Bestene, o qual perguntou o número do leito em que Valdeci estava, mas, até agora, nada fez.

Ainda segundo o irmão, quando alguém da família se dirige aos funcionários do hospital para ter informações sobre a continuidade do tratamento, talvez por não ter mais desculpas a dar,  eles nada respondem, apenas ficam calados.

O diretor do hospital Welber Lima declarou à família do paciente que “infelizmente o estado recebeu uma herança maldita do governo anterior”.  Em reação a esta declaração Eronilson perguntou indignado: “mas doutor até quando vamos ficar assim, sem resolver o problema?”.

A preocupação da família é salvar a vida de Valdeci, pois temem que, com tanto descaso das autoridades, daqui a alguns dias possam estar chorando a perda do ente querido.

Deixe seu comentário