Rio Branco vira um barril de pólvora com roubos e assassinatos, uma consequência das políticas danosas da esquerda  

49
O estado aos poucos foi tomando a forma da esquerda-Foto: Ilustrativa
artigo

Por:

Eudes F. Góes

Ninguém consegue explicar por que uma cidade tão pequena como Rio Branco alcançou níveis tão alarmantes de violência. Em apenas cinco dias ocorreram sete assassinatos e várias tentativas de homicídio, além do roubo de vinte armas de uma escola de vigilantes. Para completar, uma crise na segurança pública manchou a polícia dita mais honesta do Brasil.

Indubitavelmente, o Estado do Acre está atolado no caos.

Ultimamente as palavra mais repetida pelos acreanos são violência e insegurança. Até os policiais dizem que estamos em um barril de pólvora, prestes a explodir.

Sentindo na pele essas mazelas, a população foi às urnas  e elegeu um novo governador que tem demonstrado uma séria intenção de melhorar o Acre.

Contudo, a tarefa demanda tempo e trabalho. Não está sendo fácil, já que no estado falta de tudo. Como, por exemplo,  dizer a uma mãe que não há médicos para atender seu filho no posto de saúde ou mesmo no hospital?

A princípio não foi escassez de recursos que levou o estado a esse caos, uma vez que a maior parte do tempo em que o PT esteve governando o Acre, a administração federal também pertencia ao partido e comungavam todos da mesma política.

O que nos leva a acreditar que por trás dessa perfeita sintonia havia também a mesma intenção, a de destruir as bases de uma sociedade conservadora para implantar as condições necessárias ao desenvolvimento de uma sociedade revolucionária.

Acontece que, como nos mostra a história, essa mudança vem, necessariamente, acompanhada de muita pobreza, miséria e desgraça. O maior exemplo disso é a Venezuela.

No entanto, para atingir o intento, era preciso ter o apoio da população. Assim, em todo o país foi declarada uma guerra cultural, sem precedentes que arrastou-se por anos a fio. As crianças sendo  deseducadas nas escolas, os adultos sendo desinformados pelas mídias e a inversão de valores apregoada pelos quatro cantos da nação.

A falta de noção das pessoas chega a tal ponto que já encontrei alguns reclamando do novo governo, afirmando que a situação está piorando.  Ora, como é possível reconstruir em trinta dias algo que passou tantos anos sendo desconstruído? Falta para essas pessoas o mínimo de capacidade para compreender a situação, capacidade essa que lhes foi arrebatada por aqueles que seguem um plano de poder e de conquista da população.

No início da era PT, tanto no Acre, como em todo o país, os protagonistas da esquerda apresentaram-se com uma máscara de  humanismo que encantou a todos. Devido à carência de informações, consequência de uma hegemonia ideológica, a maioria dos brasileiros acreditou no discurso daqueles que chegavam ao poder, políticos que se diziam agentes de uma nova era, embora eles nada tivessem de novo. Na verdade, tais políticos prometiam a solução de problemas criados por seus próprios pares que pertenciam a uma ala mais light do movimento. Como sempre, a esquerda que já tinha o monopólio político e cultural, se camuflava mais uma vez para enganar o povo. Dessa vez, a ala mais perigosa e radical chegava ao poder com um discurso, que não passava de propaganda, cheio de promessas e de propostas.

De lá para cá a situação começou a degringolar. A crise moral aprofundou-se de tal maneira que nem as instituições mais sérias conseguiram sair incólume, como é o caso da polícia acreana. Investigações apontam que vários  agentes podem estar envolvidos com o crime, um fato que aumenta ainda mais a insegurança da população

Vivemos no Acre e em todo o país uma situação muito difícil, mesmo com o resultado das últimas eleições, pois  mudanças não acontecem do dia para a noite. Contudo, temos o consolo de que poderia ser pior se não nos tivesse advindo a era da internet, que por suas plataformas nos permitiu chegar à verdade dos fatos e permitiu também que viessem até nós pessoas interessadas no bem do povo brasileiro,  que nos ajudaram a abrir os olhos para a realidade.

Tudo que estamos passando hoje nada mais é senão uma  herança dos governos que fizeram de tudo para destruir nossos valores, nossa economia, nossas famílias e até nossas vidas.  Prova disso é a faixa etária dos jovens que hoje estão no crime; uns tirando vidas e muitos deles perdendo as suas.

O que nos resta agora é juntar os cacos que sobraram e irmos à luta para reconstruir o que foi destruído. Cada um terá que fazer sua parte, seja buscando informações verdadeiras sobre os fatos, seja buscando instrução intelectual, ajudando os que precisam de apoio na família e na comunidade e também acompanhando de perto o trabalho daqueles que elegemos.

Só assim poderemos  um dia voltar a ter uma vida normal.

Deixe seu comentário